Igrejas Filhas e Congregações

Igreja Presbiteriana de Cedro

A Igreja Presbiteriana de Cedro, 1ª igreja oriunda da IPJ, foi organizada em 1940. Abaixo apresentamos uma foto do Almanaque das Igrejas do Litoral Sul de São Paulo, de 1951.

Cedro

Igreja Presbiteriana do Parque Nacional

Na manhã do dia 28 de outubro de 2007, a Comissão Executiva do PVRB com poderes conferidos pelo PVRB, reúne em Assembléia Extraordinária a Congregação de Vila Sanches da Igreja Presbiteriana de Juquiá com a finalidade de organiza-la em Igreja.

Histórico Da Fundação Da Igreja Presbiteriana Do Parque Nacional

A Igreja Presbiteriana do Parque Nacional, em Juquiá-SP, teve inicio como todo trabalho tem iniciado, com um grupo de crianças. Este se reunia na casa do irmão Wilson Roberto Vassão, que gentilmente cedia parte de sua casa para realização das reuniões que eram dirigidas pelo evangelista Edgard Silva de Lima, assessorado pela mocidade da Igreja Presbiteriana de Juquiá. Iniciou-se no dia 21 de Março de 1993 (3º domingo do mês), com a importante colaboração da irmã Angélica Magalhães Cunha, cuidando das crianças, tendo como o seu idealizador, o então pastor da Igreja, Rev. Onésio Fernandes Franco. Com o crescente progresso do bairro de Vila Sanches, sentiu-se a necessidade de se implantar um trabalho da Igreja Presbiteriana de Juquiá, que pudesse ser primeiramente um canal de Evangelização, para as famílias dessas crianças deste populoso bairro e também um ponto de reunião dos membros que moravam nas imediações. Assim, após alguns acertos iniciaram-se oficialmente os trabalhos da Congregação de Vila Sanches num domingo, dia 19 de fevereiro de 1995, às 16:00 hs, em um salão gentilmente oferecido pelo irmão Antonio Victor Ferreira. Na ocasião, o Pastor da Igreja Rev. Alexandre Neubert da Silva, realizou o culto com a seguinte liturgia: oração inicial pelo mesmo, cântico do hino 247 “Santo! Santo!Santo!” do hinário Salmos e hinos, leitura bíblica do Salmo 20, cântico do hino 350 “Consagração a Cristo” do hinário Salmos e hinos, leitura do Salmo 127, cântico do hino 273 “As Novas do Evangelho” do hinário Salmos e hinos, mensagem com o tema “E sereis minhas testemunhas” com base no texto do livro dos Atos dos Apóstolos cap.1: 6-14, com destaque para o versículo 8. E estiveram presentes nesse culto os Presbíteros, David Vieira Guimarães, Emanoel Ribeiro de Lima, e os Diáconos Menezi Vieira Guimarães, José do Espírito Santo Santana, e Franklin Ribeiro da Cunha e também a participação dos seguintes irmãos: Antonio Victor Ferreira, Roberto Nunes Pupo, Wilson Roberto Vassão, Adi Vicente Fereira, Beraldo Ribeiro de Lima, Marcos França Guimarães, Virginia Ribeiro Pereira, Virginia Vassão, Ordalina de Souza Vassão, Maria Braga, Geni Vieira Guimarães, Alice Vicente Ferreira, Delaine Guimarães e Fernanda Vassão. Desse fato, passaram-se alguns anos e o salão se tornou pequeno para a quantidade de pessoas, tendo a necessidade de uma adequação. Adquiriu-se um terreno em um local não muito apropriado que logo depois foi vendido e com o produto da venda, foi imediatamente comprado um terreno que hoje é ocupado. Empreendeu-se a árdua tarefa de construção do primeiro templo que abrigou o povo por mais alguns anos sob o pastorado do Rev. Dirceu Alves da Silva. Logo os irmãos perceberam que o local se tornara novamente pequeno, sendo necessário a edificação de um templo que combinasse, ao mesmo tempo estética e funcionalidade, optando-se inicialmente pela construção de duas salas para atender as crianças. Nesta época os trabalhos contavam com a importante colaboração do Evangelista Luiz Ricardo Ferreira que levou a um crescimento mais acentuado. Lançados os alicerces, quando então pastoreava a Igreja o Rev. Elizeu Izidoro Mariano Rosa, tudo indicava que as salas seriam suficientes e enquanto isso os trabalhos continuariam sendo realizados no pequeno salão, construído para tal fim. Porém o rebanho crescia em ritmo acelerado e a idéia de se construírem as salas foi substituída pela construção no mesmo local, de um templo que pudesse acomodar o numero existente de pessoas, e mais os novos convertidos, por mais três anos pelo menos. Assim sendo, as obras de ampliação e construção de um novo templo foram retomadas em meados do ano de 2002, agora sob o pastoreio de Rev. Nadir Severino de Sousa, o qual nos sugeriu um modelo apropriado de construção que pudesse ser aproveitado futuramente para atividades educacionais, quando da construção do projeto definitivo de autoria do Sr. Sérgio Barros. Devemos ao Senhor Nosso Deus o privilégio de no dia 13 de março de 2004, consagrarmos para uso da Igreja o novo templo com capacidade para aproximadamente 150 pessoas. Todavia, temos que reconhecer o empenho do Conselho da Igreja e de todos os irmãos e irmãs, membros da Igreja Presbiteriana de Juquiá e suas congregações, na constância e fidelidade nos dízimos e ofertas. Alguns particularmente se envolveram de maneira diferenciada, doando seu tempo, seus esforços, suas lágrimas e preocupações. Outros no anonimato, sentiram no coração o desejo de ver esta obra concluída. Nosso desejo é de destacar todos os pontos significativos desta maravilhosa história, mas faltam-nos tempo e espaço. Mas uma coisa é importante frisar: se o Senhor nosso Deus não estivesse a nossa frente, com certeza não teríamos chegado aonde chegamos. Por isso devemos orar como Davi: “Ó Senhor, Deus nosso, toda esta abundância que preparamos para te edificar uma casa ao teu nome, vem da tua mão e é toda sua.” 1º Cr 29:16.”
Retirado da Ata 01, de 28/10/2007, da IPPN.

Congregação do Bairro Piúva