Notícias

Domingo da Igreja Perseguida 2015

Cristãos brasileiros servindo cristãos perseguidos

Conscientizar a Igreja brasileira da perseguição aos cristãos é uma maneira de servir nossos irmãos e também de edificar os brasileiros em seu relacionamento pessoal com Deus
Uma celebração única, com milhares de pessoas estendendo-se do norte ao sul do Brasil em torno de um único propósito: servir cristãos perseguidos. Esse é objetivo do Domingo da Igreja Perseguida (DIP), realizado no Brasil desde 1988.

Em pleno século 21, cerca de 100 milhões de cristãos enfrentam hostilidade e perseguição pelo simples fato de seguir a Cristo. Essa intolerância vem de várias fontes: governo, sociedade e até mesmo da família. Por causa de sua fé, esses irmãos enfrentam desde desemprego, exclusão da sociedade, expulsão do círculo familiar a interrogatórios, aprisionamentos, torturas e até mesmo a morte.

O evento, idealizado pelo Irmão André (fundador da Portas Abertas) em 1987, relembra a “fundação” da Igreja Perseguida: Atos 4 marca o início da perseguição aos cristãos logo após a descida do Espírito Santo (domingo de Pentecostes), com a prisão de Pedro e João.

Em 2014, em sua 26ª edição, 5.667 igrejas em todo o Brasil dedicaram o domingo 25 de maio para apresentar a causa da Igreja Perseguida e apoiá-la por meio de orações e ofertas. Além disso, o DIP também foi realizado nas igrejas em mais de onze países: Bolívia, Chile, Estados Unidos, Guiné Bissau, Uganda, Cabo Verde, Peru, Portugal, França, Alemanha e Japão.

Envolva-se! No domingo, 31 de maio de 2015, aproveite a liberdade que temos como Igreja brasileira e utilize-a no serviço aos nossos irmãos perseguidos.

Nós e os cristãos perseguidos contamos com você!

Projeto Fé na Estrada

No último dia 30 de março recebemos em nossa igreja o Rev Hélio, capelão do projeto Fé na Estrada, que é um projeto de evangelismo de caminhoneiros, que tem alcançado as principais rodovias do país, levando amor e a Palavra de Deus. Em parceria com igrejas e algumas instituições o trabalho tem crescido e apresentado frutos preciosos.

Na opurtunidade, o Rev Hélio nos relatou sua rotina ao evangelizar caminhoneiros e nos contou um pouco de como é conviver com esta classe, que levam consigo o desenvolvimento para o nosso país.

Um povo sofrido e desmoralizado, pois a falta de infraestrutura, de condições dignas para longos dias na fila de espera para carregamento e descarregamento e a saudade de suas famílias fazem parte da realidade destas pessoas. 

Este trabalho tem levado um pouco de paz e vida aos que, sem esperança, transitam pelas estradas do nosso Brasil.



Para saber mais acesse:  Projeto Fé na Estrada

Projeto Amanajé

Exibição de slides


No último domingo, dia 16/02/2014, por ocasião da Escola Bíblica Dominical, recebemos a visita do Missionário Márcio Schmidel, do Projeto Amanajé.

Atuante em muitas regiões do Amazonas, o missionário nos trouxe notícias do campo, compartilhando suas vitórias e relatando um pouco de suas dificuldades.

Rachel Sheherazade: "Não teria resistido às dificuldades que encontrei aqui se não fosse pela fé"

O Uruguai virou "sócio de traficantes" ao regulamentar o comércio da maconha. A defesa do Conselho Federal de Medicina à legalização do aborto é "abominável", e possivelmente está criando "um novo nicho de mercado" para a classe médica.

*

São algumas das ideias da jornalista Rachel Sheherazade, 40, que há quase três anos é paga para falar o que pensa no "SBT Brasil", jornal das 19h45, do qual é apresentadora.

*

Quem fala o quer quer, lê o que não quer na internet. "Meus votos para 2014: que a Rachel Sherazedo seja estuprada", postou o filósofo Paulo Ghiraldelli, em 26 de dezembro. Ela rebateu no Twitter e vai processar o detrator por incitação a crime. Ele creditou o ataque a um hacker.

*

Por conflitos como este ("que estavam consumindo meu tempo"), a apresentadora já havia decidido se afastar da internet. "Foi ela que me trouxe aqui, mas comentários e ofensas estavam me deprimindo", conta ao repórter Chico Felitti.

*

Foi o YouTube que lhe garantiu fama. Em 2011, ela fez um vídeo criticando o Carnaval, pois a festa cercearia o direito de ir e vir do cidadão e sugaria recursos públicos. O comentário, feito na TV Tambaú, de João Pessoa, sua terra natal, caiu na rede e foi visto por mais de meio milhão de pessoas em uma semana.

*

Três dias depois, em pleno reinado de Momo, recebeu uma ligação de Leon Abravanel, sobrinho de Silvio Santos e diretor de produção do SBT. "Achei que fosse trote." O contato era um convite para vir a SP conhecer a rede.

*

"Vim desconfiando que seria um convite. Nunca quis sair da minha cidade, não preciso sair da minha região para me realizar." Mas topou.

*

Até então fazia dupla jornada. Passou em um concurso para ser escrivã em um tribunal para ajudar a fechar as contas, porque o jornalismo na Paraíba "não bastava". Está licenciada e termina nos próximos dias o período máximo de afastamento. "Vou pedir desligamento."

*

Passaram-se mais de mil dias até a certeza de que poderia abdicar da estabilidade do funcionalismo público. Ela não fala em dinheiro, mas o salário de apresentadora, em torno de R$ 150 mil, permitiu que seu marido, Rodrigo, deixasse o emprego na Paraíba para acompanhá-la.

*

"Foi uma prova de fogo. O homem nordestino pode ser muito machista. Olhamos o que é melhor para a família." Moram com os filhos Clara, 5, e Gabriel, 3, numa casa em Alphaville, complexo de condomínios de luxo a 23 km de São Paulo. Mas o clã faz pouco esse percurso.

*

"Eu tenho muito medo. Sou meio neurótica com violência urbana, mais ainda depois de começar a fazer bancada, noticiar tudo o que há de ruim." Quando os quatro vêm a São Paulo, "muito esporadicamente", optam por ir a teatros de shopping.

*

Se não, é de casa para a labuta, como no dia em que encontrou a reportagem. Ela chega ao SBT às 14h, dirigindo seu sedã preto, com pulôver da mesma cor, bordado com pedrarias. Ainda não decidiu o tema do comentário.

*

Está entre Edward Snowden, ex-agente que vazou informações confidenciais da agência de inteligência americana e sinalizara que queria asilo do Brasil, e a rebelião na Papuda, penitenciária onde estão presos condenados do mensalão. Acabou ficando com política brasileira, "mais interessante".

*

Escreve o texto no camarim, "como quem conta uma história". Seu nome, inclusive, veio de uma contadora de casos: a avó paterna leu os contos das mil e uma noites e se apaixonou pela protagonista, Sherazade. O segundo nome, adotado como sobrenome no lugar do original, Barbosa, ganhou nova sílaba sem razão conhecida.

*

Ela dá as razões para ter mudado de orientação política. "Eu era de esquerda. Pintei a cara para o Collor sair. Votei no Lula até ele ser eleito. Me decepcionei com o PT." Hoje, vota "em pessoas, não em partidos". Não declara em quem vai votar neste ano.

*

"Com a minha maturidade, passei a ter posicionamentos mais de direita do que de esquerda." Cita o direito à vida e à propriedade como exemplos. Em um aspecto pelo menos ficou mais liberal: o estético. Foi instruída pela emissora a usar bobes para dar volume às mechas escorridas. Detestava. "Hoje, não tenho vergonha de ir à praça de alimentação de bobe."

*

Confessa não ser vaidosa. "É um suplício", diz ao se dirigir ao camarim para ser maquiada. No caminho, elogia Reinaldo Azevedo, colunista da Folha e da revista "Veja". "Ele é um fofo! Me defendeu na história do Lula."

*

A tal história: o ex-presidente teria se referido a ela como "uma jornalista do SBT, de 20 e poucos anos" que faz críticas "sem embasamento". Azevedo fez um texto em defesa da colega em seu blog.

*

Rachel, por sua vez, defende o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. "Ele sofre perseguição religiosa", diz ela, sobre o parlamentar criticado por posições controversas como a "cura gay".

*

É evangélica desde os 23 anos, quando foi batizada na igreja Batista. "A fé é 100% importante. Não teria resistido às dificuldades que encontrei aqui se não fosse pela fé."

*

Entre os percalços, ser nordestina ("ainda há preconceito forte") e trabalhar em "uma redação que te olhavam de banda por ter chegado pelas mãos do dono".

*

Não que fosse queridinha do patrão. Diz só encontrá-lo no salão de cabeleireiro Jassa, que tem convênio com a emissora. "Silvio é muito gente."

*

O chefe um dia perguntou por que ela não improvisa seus famosos comentários. "A gente faz ao vivo, cada segundo conta", respondeu. Precisa treinar para encaixar a fala em 45 segundos.

*

Chegando ao camarim, ela comenta que não quer fazer jornalismo para sempre. Mas desconversa. "Por enquanto estou feliz." Pelo menos até 2015, quando vence seu contrato, vai viver de discursar, como a xará da literatura. A personagem original, diz a lenda, prendia a atenção do rei narrando aventuras por mil e uma noites. "Ela, no fim, é igual à gente, tem que segurar a audiência.

Um Muçulmano em busca da verdade

"E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará". João 8.32

"Meu nome é Yasser Hamid, nasci em uma família muçulmana e era um ativista político e estudioso de religião comparativa. Eu conheci Jesus e passei a segui-lo. Desde então, enfrentei sérios problemas judiciais e acusações de blasfêmia. A minha curiosidade sobre a fé vem do contexto religioso da minha família. Minha mãe era uma estudiosa islâmica e outros membros da minha família eram clérigos muçulmanos.

Em novembro de 2004, eu, que um dia fui um cético e intelectual muçulmano, fui batizado com minha esposa, meu filho, minha filha e mais dois parentes. Por conta disso, além das acusações de blasfêmia, sofri vários ataques. Fui baleado seis vezes. Extremistas assassinaram meu irmão mais novo, que também havia se tornado cristão.

Passei a me esconder, mas uma invasão policial na casa de um amigo, em outubro de 2005, me convenceu de que seria mais seguro para todos se eu deixasse o país. Desde que fugi para a Europa, meus familiares tiveram de se esconder para ocultar sua identidade."


Pedidos de oração

Ore para que, assim como Yasser, outros muçulmanos questionem o islamismo à luz da Bíblia e possam encontrar o caminho da cruz.

Peça a Deus que proteja pessoas como Yasser que deixam o Islã para seguir a Cristo e sofrem duras consequências por isso.

Fonte: http://www.portasabertas.org.br/noticias/testemunhos/2013/07/2627188/, em 18/10/2013